Linhaceira, terra viva e lugar de encontro

De há muitos anos que a tendências das localidades do interior é o seu despovoamento, e consequente desaparecimento. No entanto na Linhaceira, como maior pólo populacional, na zona rural do concelho de Tomar, continua a ser uma comunidade viva e um local de encontro.
Terra de muitos emigrantes, que quando regressam, verificam que a chama mobilizadora que leva todos aqueles a trabalhar em prol da comunidade, continua acesa. É algo de notável e que deve ser acarinhado por todos. Sejam os projectos de desenvolvimento local, ou o futebol, o importante é que não morrem e o espírito associativo e de comunidade continuam vivos e activos.
Segundo as previsões da OCDE, dentro de algumas décadas dois terços da população mundial não vai ter emprego ou ocupação laboral e num mundo de crescente globalização, as comunidades locais representam uma das ligações do homem à sociedade.
A qualidade de vida também é partilharmos e implicarmos na vida comunitária. Noutros países europeus, a redução do horário de trabalho semanal, para manutenção dos postos de trabalho é uma realidade, contudo a maioria das pessoas não estava preparada para ter dois ou mais dias úteis livres por semana. Criou-se novos desafios à sociedade: Como ocupar o tempo? Hoje em dia preocupamo-nos em ter um emprego, mas futuramente o emprego na forma que conhecemos poderá desaparecer. A nossa preocupação poderá ser “em podemos ajudar, para melhorar a comunidade em que vivemos”.
No que podemos ajudar, bem como o tempo e o lugar onde nos encontramos dependem de cada um. É fácil encontrarmo-nos a Linhaceira das memórias, contudo a “Linhaceira – hoje” acontece a cada momento.
Actualmente, Linhaceira, mais que uma localidade no centro de Portugal, representa uma comunidade de gentes e de tradições que importa preservar. Um património colectivo que conta com a colaboração de todos.

Deixe o seu comentário